Deixe que a Cigana Samara te ajude a compreender seu momento de vida!

domingo, 30 de março de 2014

Nossa Forte Aliada – A Arruda!



Pesquisando sobre a arruda, que, aliás, eu gosto muito, e procuro sempre manter um galho em um jarro de água na minha mesa de trabalho porque além de espantar o mau olhado me serve como um termômetro de negatividade no ambiente. Quando tudo está bem ela dura muito, mas quando o ambiente está carregado ela morre logo no jarro. Neste site encontrei a sua história - www.plantasquecuram.com.br:

“Desde a antiga Grécia, era usada para afastar doenças contagiosas, mais seu ponto forte era ser usada contra o mal olhado. A arruda é citada em muitas obras clássica, como William Shakespeare, na obra Hamlet, se refere à arruda como sendo "a erva sagrada dos domingos". Dizem que ela passou a ser chamada assim, porque nos rituais de exorcismo, realizados aos domingos, costumava-se fazer um preparado à base de vinho e arruda que era ingerido pelos "possessos" antes de serem exorcizados pelos padres.

No Brasil colônia os escravos africanos usavam-na contra mau olhado. Numa famosa pintura intitulada "Viagem Histórica e Pitoresca ao Brasil, o artista Jean Debret retrata o comércio da arruda realizado pelas escravas africanas. O galho de arruda era vendido como amuleto para trazer sorte e proteção. E não eram apenas as escravas que usavam os galhinhos da planta ocultos nas pregas de seus turbantes - as mulheres brancas colocavam o galhinho estrategicamente escondido nos seios. Outro fator teria reforçado o valor da arruda naquela época: a infusão feita com a planta era usada como uma espécie de anticoncepcional e abortivo.

Nas cerimônoias da igreja católica, no início da era cristão, fazia raminhos de arruda para espargir água-benta nos fiéis. Nessa época acreditava-se que as bruxas só poderiam ser destruídas com grandes poderes como o do fogo - a arruda reafirmou sua fama, pois seus ramos eram usados como proteção contra as feiticeiras.

Há séculos, divulga-se que a planta apresenta propriedades muito ligadas ao desejo sexual masculino e feminino, mas de formas diferentes: seria um anafrodisíaco (ou anti-afrodisíaco) para os homens e um excitante para as mulheres. Ainda não foi possível comprovar a veracidade dessas indicações, entretanto, nos escritos (datados de 1551) de Hieronymus Bock, considerado um dos primeiros botânicos da história, havia a recomendação para que monges e religiosos ingerissem a arruda, misturada aos alimentos e às bebidas, para garantir a pureza e castidade. A verdade é que esta planta era realmente muito abundante nos jardins dos mosteiros”.

A Arruda é um forte aliado no combate a negatividade. Por isso é muito usada pelas benzedeiras. Sua composição é compatível com a nossa constituição bioenergética, ou seja: nossa aura. Passar um galho de arruda pelo nosso corpo nos “limpa” de energias densas acumuladas no nosso dia a dia.

Mas essa erva vai muito além como aprendi no meu livro de ervas. Livro este que herdei do meu pai, um grande médium tendo dois pretos velhos em sua linhagem de entidades que carinhosamente nós chamávamos de Tio Bento e o Pai Murucussu. E como não poderia deixar de ser a linhagem de pretos velhos sabem tudo sobre plantas e ervas, magia, simpatia etc. Quanta sabedoria eles detém. Tanto é que minha mãe prontamente se utilizava dos remédios caseiros sobre a supervisão desses adoráveis parceiros de jornada. Quanta falta eu sinto hoje deles!

“A Arruda é uma planta aromática, estimulante, que combate os germes, restabelece o mestruo, combate clorose, histeria, males reumáticos, paralisias, incontinência urinária, tuberculose pulmonar, nevralgina dos olhos, lombrigas de criança.
Ferver três gramas de arruda em 250 ml de água é bom na suspensão da menstruação (mais cuidado porque ela é abortiva) incômodos histéricos, para expelir os germes.
Os vermes das crianças expelem-se com cataplasma de folhas de arruda pisadas e misturadas com mel, sobre a barriga da criança.

No uso externo usam-se as folhas em cozimento para doenças da pele, unhas encravadas, lesões do perióstio.

As folhas pisadas põe-se nas úlceras, o suco fresco pinga-se nos olhos, fortifica a vista e cura as belidas e pingado no ouvido cura os zunidos.

O chá das folhas serve para peso na cabeça, tonturas, vertigem, respiração difícil, palpitação de coração, anemia.

A tintura alcoólica serve para o combate ao tétano, debilidade da vista, contusões, ossos quebrados ou deslocados e na queda do intestino reto.

Mas o mais importante para se saber sobre a Arruda antes de sair fazendo uso dela é: a ingestão delas em dose alta são abortivas e provocam violenta gastroenterite, vertigens e convulsões”.

Ely da Costa Varella pesquisa no Livro: As Plantas como Remédio na Cura das Doenças – Oberdan Masucci, 1982

Sta Sara Kali

Sta Sara Kali

Santa Sara Kali a Padroeira dos Ciganos

Há uma lenda que fala sobre Maria Madalena, Maria Jacobé, Maria Salomé, José de Arimatéia e Trofino, junto com Sara, uma cigana escrava, que teriam sido atirados ao mar, numa barca sem remos e sem provisões.

Desesperadas, as três Marias puseram-se a orar e a chorar.

Foi quando a cigana Sara retira o diklô (lenço) da cabeça e clamando por Kristesko (Jesus Cristo), promete que se todos se salvassem ela seria escrava de Jesus, e jamais andaria com a cabeça descoberta em sinal de respeito.

Milagrosamente, a barca sem rumo e à mercê de todas as intempéries, atravessou o oceano e aportou com todos salvos em Petit-Rhône, hoje a tão querida Saintes-Maries-de-La-Mer.

Sara cumpriu a promessa até o final dos seus dias. Sua história e milagres a fez Padroeira Universal do Povo Cigano, sendo festejada sempre nos dias 24 e 25 de maio.

Segundo o livro oráculo (único escrito por uma verdadeira cigana) "Lilá Romai: Cartas Ciganas", escrito por Mirian Stanescon - Rorarni, princesa do clã Kalderash, deve ter nascido deste gesto de Sara Kali a tradição de toda mulher cigana casada usar um lenço que é a peça mais importante do seu vestuário: a prova disto é que quando se quer oferecer o mais belo presente a uma cigana se diz: "Dalto chucar diklô" (Te darei um bonito lenço).

Sara Kali traz saúde, prosperidade, amor e é também cultuada pelas ciganas por ajudá-las diante da dificuldade de engravidar. Muitas que não conseguiam ter filhos faziam promessas a ela, no sentido de que, se concebessem, iriam à cripta da Santa, em Saintes-Maries-de-La-Mer no Sul da França, fariam uma noite de vigília e depositariam em seus pés como oferenda um Diklô, o mais bonito que encontrassem.

Oração Mágica de Santa Sara Kali

De todas as orações de Santa Sara Kali que eu pesquisei, eu gosto muito desça pelo seu teor mágico.
Se a magia irá ocorrer ou não depende de várias questões. E a primeira é : o que eu desejo faz parte do meu caminho para merecê-lo?
De qualquer forma, ao rezar esteja com uma vela prateada na mão direita acesa e tenha fé enquanto ora. Eu tenho um hábito recitar sete vezes uma oração ou um salmo quando tenho uma intenção específica. Mas isso é de cada um. Deixe a vela queimar até o fim em um pires junto a um copo com água e boa sorte!

Raio de luz multicor,
penetra fundo no meu interior
e vai meu desejo buscar.
Atraia-o vivo e forte,
inebria-o de sorte
e de fulídos de realização.
Faz minha mente um imã capaz
dotado de vontade tenaz
Força! realidade! convicção!
e magia fluirá,
e como fruto maduro
cairá aos meus pés
a realização

Salve Rainha Sara!
Salve Virgem Sara!
Salve Virgem Sara!

Durma bem!

"Um antigo costume cigano para ter uma noite tranqüila consiste em perfumar os quatro cantos da cama com essências florais".

Manter a Fartura em Casa!

Pegue uma taça grande, e preencha ela com grãos de arroz, milho, sementes de gira sol, folhas de louro, moedas douradas. Depois de enfeitado acenda uma vela amarela ao lado do copo. Batize o copo com o nome de um cigano (a), e peça que haja sempre muita fartura e muita riqueza em sua vida. E sempre que tiver moedas douradas, complete o copo.

A mesa da Cigana Samara

A mesa da Cigana Samara
eu gosto da tradição de uma mesa acolhedora para minha cigana atender!